Pesquisa e Insights

Bombas de incêndio

As bombas de incêndio são habitualmente listadas por um instituto homologador e são accionadas por um motor elétrico ou um motor diesel ou, por vezes, por uma turbina a vapor. Numa instalação contra incêndios, pode haver uma ou mais bombas de incêndio colocadas em funcionamento como bombas de reserva (50%) - e de reserva.

A bomba de incêndio fornece a água através do sistema de tubagem aos aspersores de incêndio para eliminar o incêndio. O número de bombas de supressão de incêndios instaladas depende do risco de ocupação (LH, Oh ou HH) e do padrão específico de instalação de incêndios. Alguns conhecidos podem ser consultados na tabela à direita.

Nos casos em que estejam instaladas bombas de incêndio eléctricas duplas, é necessária uma fonte de energia secundária. Pode ser da alimentação separada à subestação de eletricidade mais próxima ou de um gerador localizado no local. Deverá ser integrada uma conceção de comutação da rede elétrica na conceção para permitir a comutação para esta fonte de alimentação alternativa no caso de uma falha de alimentação eléctrica.

A bomba de incêndios arranca quando a pressão no sistema de aspersores de incêndio desce abaixo de um determinado valor nominal. Se um ou mais aspersores de incêndio forem expostos ao calor acima da respetiva temperatura de conceção e se abrirem, a pressão do sistema de aspersores desce e os pressostatos emitem um sinal e a bomba em funcionamento arranca. Se a bomba em funcionamento, por qualquer motivo, não arrancar, a bomba de reserva arrancará, geralmente a partir de um pressóstato secundário.

Características

As bombas de supressão de incêndios são geralmente fabricadas com peças internas não corrosivas para evitar a obstrução devido à corrosão. Para evitar a cavitação e ter uma pressão de sistema estável, as bombas de supressão de incêndios são geralmente concebidas especificamente para bombas de supressão de incêndios, com requisitos rígidos em relação ao valor NPSH e ao caudal de caudal [Q] e de altura manométrica [H].

O desempenho da bomba de incêndio é bastante exigente no que diz respeito à capacidade de evitar a cavitação e ter uma Altura manométrica decrescente estável e contínua [H] com diminuição do caudal [Q]. A razão para estas caraterísticas requeridas é a fiabilidade e desempenho da distribuição de água através do sistema de tubagens e aspersores no edifício.

Materiais de bombas de supressão de incêndios
Uma vez que as bombas de supressão de incêndios raramente funcionam, excepto para testes, os componentes internos devem ser feitos de materiais não corrosivos (aço inoxidável, bronze) para evitar obstrução ou bloqueio da bomba.

Valor NPSH (altura piezométrica absoluta útil na aspiração)
As bombas de supressão de incêndios têm curvas NPSH baixas para evitar a cavitação, provocando uma diminuição do caudal e da pressão. As curvas NPSH são frequentemente medidas até 16 m para decidir a potência requerida - mas variam de acordo com os diferentes padrões de bombas de supressão de incêndios.

Curva Q e H (caudal Q e curva H da altura manométrica)
É desejável que as curvas Q & H em diminuição estática e contínua sejam alcançadas para garantir uma pressão estável no sistema, mas também tenham apenas um ponto na curva para cada ponto de pressão. Nos casos em que as bombas de incêndio funcionem em paralelo, as bombas de incêndio instáveis podem causar vibrações e provocar a avaria do sistema. Os padrões das bombas de supressão de incêndios definem as suas próprias características para as curvas QH.

Curva de Consumo de Energia (P 2 )
O consumo de energia é medido em função da altura e do caudal. As curvas de potência podem aumentar constantemente ou com um ponto máximo local na curva, dependendo do design do sistema hidráulico da bomba. A maioria das curvas tem uma curva de potência em ascensão constante. O dimensionamento da potência das bombas de supressão de incêndios varia de norma para norma, mas todas requerem reservas de energia adequadas, seleccionando o tamanho do motor ao final da curva de potência ou com um valor NPSH = 16 m para bombas com caudal máximo a aproximadamente 5 m.

Caudal máximo permitido (Q máx. )
O caudal máximo é determinado principalmente para evitar a cavitação da bomba de incêndio e garantir uma reserva de energia suficiente, mas também para ditar a capacidade da água armazenada. Para sistemas LPCB Q máx. é determinado em sistemas para determinar a capacidade da água armazenada (60 minutos em H e 90 minutos em HH).

A Grundfos fornece bombas de supressão de incêndios com turbina, de aspiração axial, horizontal, vertical, em linha vertical e vertical, para turbinas industriais. Os sistemas de supressão de incêndios da Grundfos cumprem as normas de proteção contra incêndios e componentes de incêndios e são testados e certificados por laboratórios credenciados e listados por instituições autorizadas.