Pesquisa e Insights

Curvas da bomba

A curva de eficiência mostra o η (eficiência) da bomba. A eficiência é medida em%. Todas as bombas dispõem de um "melhor ponto" (μmáx), indicando onde a bomba funciona mais eficientemente. A eficiência da bomba depende da dimensão da bomba e da qualidade da construção / produção. As bombas de pequenas dimensões normalmente têm uma eficiência inferior à das bombas de grandes dimensões.

A curva de desempenho da bomba mostra a correlação entre o caudal do fluido (Q) e o diferencial de pressão ou altura manométrica (H) que a bomba cria.

As unidades para Q são normalmente [m 3 / h] ou [l/s]

A unidade para H é normalmente [m]

H (altura manométrica) pode ser recalculado para p (pressão) utilizando a seguinte equação:

p = ² xgx H [pa]

p = pressão [pa]

² = densidade [kg/m 3 ]

g = aceleração devido à gravidade [m/s 2 ]

H = altura manométrica [m]

O caudal é normalmente indicado em m 3 / h ou l/s. O diferencial de pressão ou a altura manométrica são dados em kPa ou mws (coluna de água de um metro). Para bombas de velocidade variável, a curva de desempenho é apresentada às RPM mínimas e máximas.

Quando estão ligadas várias bombas, a curva de desempenho final é alcançada combinando as características das bombas individuais.

As bombas de ligação paralela são adicionadas horizontalmente para aumentar a Q. Para duas bombas idênticas, o máximo de Q duplicará, e o máximo de H será igual. Este princípio é habitualmente utilizado em sistemas de bombeamento.

As bombas ligadas em série são adicionadas na vertical para aumentar H. Para duas bombas idênticas, o máximo de H duplicará. O Q máximo não será igual. Este princípio é habitualmente utilizado em bombas multicelulares.

A curva de desempenho é utilizada em conjunto com as características do sistema ao dimensionar e seleccionar bombas.

Utilize o ferramenta de dimensionamento encontrar a curva de eficiência e curva de desempenho de uma bomba específica.