Pesquisa e Insights

Refrigerante

A tarefa do refrigerante é transferir energia de um nível e eliminá-la a um nível superior. Existem vários tipos diferentes de refrigerantes primários, cada um com as características técnicas da substância, como a pressão, a temperatura, o teor de calor, o volume específico e a entropia para todas as necessidades.

A utilização dos diferentes tipos de refrigerantes depende da dimensão dos sistemas, mas também do ano de produção. Nos últimos anos, a consciência da pressão sobre o ambiente provocou uma alteração na utilização de diferentes refrigerantes. Em resultado, os refrigerantes naturais estão a tornar-se cada vez mais populares.

O processo cíclico do refrigerante pode ser ilustrado num Log (a) com base nas seguintes condições:

  1. O refrigerante é mantido sob pressão à temperatura ambiente como líquido sub-arrefecido
  2. O refrigerante é expandido para uma pressão mais baixa no ponto de saturação
  3. A influência do calor do fluido ou matéria a arrefecer faz com que o refrigerante ferva à baixa pressão no evaporador
  4. Depois de o refrigerante ser evaporado num vapor seco e saturado, é comprimido no compressor a uma pressão mais elevada, uma vez que o vapor sobreaquece.
  5. No condensador, o vapor é condensado sob alta pressão trocando a energia com, por exemplo, o ar a uma temperatura inferior à temperatura de saturação

Tipos típicos de refrigerantes:

  • Os refrigerantes sintéticos de tipo CFC, HCFC e HFC influenciam o efeito de estufa.
    Por exemplo: R134a, R404A, R407C, R410A, R507A
  • Refrigerantes naturais: R717 (amoníaco) R290 (propano), R600a (isobutano), R744 (dióxido de carbono)

Carga do refrigerante

Este é um termo utilizado para o tipo e massa de refrigerante que uma instalação de refrigeração terá para funcionar nas condições especificadas. O tipo de refrigerante deve ser aplicável à aplicação e às condições ambientais. Por exemplo, as normas ASHRAE são recomendações gerais relativas às condições ambientais locais para temperaturas interiores e exteriores no Verão e no Inverno em qualquer país.

Qualquer refrigerante tem de ser adequado à aplicação e às condições ambientais, para um desempenho energeticamente eficiente e fiável. Uma má escolha do refrigerante pode provocar instabilidade, troca de calor ineficaz e consumo de energia elevado pelo compressor, entre outros efeitos indesejados.

É importante conhecer a carga existente numa instalação de refrigeração, uma vez que o refrigerante está sujeito a controlo ambiental em quase todos os países. Quase todas as instalações de refrigeração perdem uma quantidade da sua carga de refrigerante através dos vedantes, das caixas de empanque de cordão, das válvulas, etc. ao longo do tempo.

É importante realizar a manutenção e a revisão da central de refrigeração. A perda de carga do refrigerante irá afectar o desempenho, as horas de funcionamento e a fiabilidade do funcionamento.

Refrigerante secundário

O líquido de refrigeração pode ser dividido em líquido de refrigeração primário e secundário. Um líquido de refrigeração secundário não é geralmente tóxico em pequenas quantidades, embora seja necessário eliminar quantidades maiores.

O líquido de refrigeração primário é utilizado num sistema de arrefecimento para baixar a temperatura de um líquido de refrigeração secundário, como salmoura. O líquido de refrigeração secundário circula através de um sistema de refrigeração e é arrefecido num permutador de calor. O líquido de refrigeração pode então ser utilizado para outros fins, por exemplo, o arrefecimento de pistas de gelo. Um líquido de refrigeração secundário não é geralmente tóxico em pequenas quantidades, embora seja necessário eliminar quantidades maiores.

As bombas centrífugas da Grundfos são adequadas para praticamente todas as aplicações em que o arrefecimento seja uma parte essencial do processo.

Aplicações relacionadas

Localize aplicações da Grundfos relacionadas com este assunto.